sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Com o poder a fugir-lhe das mãos

Resultou patética a tentativa de Pedro Passos Coelho de, através de uma entrevista, limpar a pintura que havia borrado definitivamente na última Sexta-feira. Ele bem se esforçou por esboçar um eventual recuo no anunciado na semana passada, mas tal apenas serviu para acentuar a percepção de que o Governo toma decisões ao sabor do apetite e no pressuposto de que a sua aceitação seria sempre uma réplica dos amplos consensos sociais que resultaram de comunicações anteriores com as mesmas características.

Contudo, o crónico amplo consenso social, que até há pedaço lhes fazia inchar a vaidade, parece agora convergir para a ideia de que da continuidade do actual Governo e da sua austeridade estratificada por pedigrees apenas irá resultar uma calamidade ainda pior do que a obra deixada inacabada pelos Governos Sócrates, amplamente completada pelo Governo Coelho-Portas ao longo de um mandato repleto de fracassos tornados sucessos pelo auto-elogio da mesma vaidade doentia.

Salvou-lhe o intento a oportunidade de dizer claramente ao país que Paulo Portas estava e sempre esteve ao corrente da decisão, bem como revelar que o delfim Pedro Mota Soares colaborou activamente no projecto de ruína do país que o seu enorme sentido de Estado e a sua infinita responsabilidade se encarregaram de tornar público sem se dar ao trabalho de auscultar aqueles que agora diz que irá consultar. Anunciar primeiro e estudar depois são marcas registadas desta  fúria reformista que continua a esforçar-se por enriquecer uma minoria empobrecendo todos os demais.

2 comentários:

Facebook share disse...

Resultou patética a tentativa de Pedro Passos Coelho de, através de uma entrevista, limpar a pintura que havia borrado definitivamente na última Sexta-feira. Ele bem se esforçou por esboçar um eventual recuo no anunciado na semana passada, mas tal apenas serviu para acentuar a percepção de que o Governo toma decisões ao sabor do apetite e no pressuposto de que a sua aceitação seria sempre uma réplica dos amplos consensos sociais que resultaram de comunicações anteriores com as mesmas características.

JotaB disse...

Este 1º ministro é completamente desprovido de ideias!
É um descomunal ZERO!
Enquanto o deixarmos, se o deixarmos, irá continuar a empobrecer Portugal e os portugueses.

**
Cantiga da velha mãe e dos seus dois filhos - Mãe coragem
Música: José Mário Branco
Letra: Sérgio Godinho

http://www.youtube.com/watch?v=NsYsIL0OZ0Q