sexta-feira, 27 de julho de 2012

Uma Saúde com preços de luxo

As taxas moderadoras, sobretudo se fixadas em valores incomportáveis para a maioria da população, moderam mesmo. Nos primeiros cinco meses deste ano, houve menos 283 mil urgências nos hospitais públicos, menos 400 mil idas aos serviços de atendimento permanente (SAP) e menos 562 mil consultas presenciais nos centros de saúde em comparação com o mesmo período de 2011. Em simultâneo, verificou-se uma redução das sessões de hospital de dia da ordem dos 6,5% (menos 34 mil), indicam os últimos dados da monitorização da actividade assistencial ontem divulgados pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). Sabendo-se que a medicina preventiva é a função principal dos centros de Saúde, esta redução poderá significar muito em breve um aumento da despesa em Saúde. A redução do número de consultas e de urgências hospitalares poderá ser a explicação para um eventual aumento brusco na taxa de mortalidade. E todas estas reduções poderão ainda ter como reflexo um aumento na facturação das unidades de Saúde privadas, bem como na não facturação das medicinas mais alternativas. O Governo está de parabéns.

2 comentários:

FB Request disse...

As taxas moderadoras, sobretudo se fixadas em valores incomportáveis para a maioria da população, moderam mesmo. Nos primeiros cinco meses deste ano, houve menos 283 mil urgências nos hospitais públicos, menos 400 mil idas aos serviços de atendimento permanente (SAP) e menos 562 mil consultas presenciais nos centros de saúde em comparação com o mesmo período de 2011. Em simultâneo, verificou-se uma redução das sessões de hospital de dia da ordem dos 6,5% (menos 34 mil), indicam os últimos dados da monitorização da actividade assistencial ontem divulgados pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). Sabendo-se que a medicina preventiva é a função principal dos centros de Saúde, esta redução poderá significar muito em breve um aumento da despesa em Saúde. A redução do número de consultas e de urgências hospitalares poderá ser a explicação para um eventual aumento brusco na taxa de mortalidade. E todas estas reduções poderão ainda ter como reflexo um aumento na facturação das unidades de Saúde privadas, bem como na não facturação das medicinas mais alternativas. O Governo está de parabéns.

Generosa de sousa disse...

Abertura de London 2012. Alegoria ao NHS...Até parece um recado para Portugal,já que no Reino Unido não há taxas "moderadoras"...