sábado, 14 de julho de 2012

Olha os bandidos

Ontem, menos de 24 horas depois da greve de dois dias dos médicos, o Ministro Paulo Macedo e os dois sindicatos que a convocaram chegaram a acordo: o recurso a intermediários na contratação de médicos será residual e apenas ocorrerá depois de esgotadas todas as alternativas de contratação directa e, até 31 de Agosto, com vista à eliminação progressiva e o mais breve que seja possível daquele corpo estranho ao sistema e à sua substituição pela contratação directa, será feito o levantamento das necessidades médicas a nível nacional. Ficou claro para todos o que motivou a greve: a intransigência irresponsável de um Ministro que não queria mas foi obrigado a negociar. E que teve que ceder.

Hoje, para que não restem dúvidas sobre quem é que detém o poder, eventualmente também para minimizar a percepção de que a união, que conduziu os médicos ao sucesso das suas reivindicações, é um exemplo a seguir por outros sectores que também sejam afrontados pela fúria reformista do Governo com outras situações que ponham em causa as suas condições de trabalho, não é o acordo de ontem que faz as primeiras páginas de alguns jornais. Na sua vez, “Queixas no SNS aumentam e médicos são os principais visados”. Olha os bandidos. Muito oportuno. Demasiado para não deixar no ar a suspeita sobre o peso da notícia no défice orçamental deste ano. Não seria nem a primeira, nem a centésima vez que os impostos que todos pagamos são utilizados em favor da causa das notícias oportunas. É importante manterem-nos todos juntos à espera do próximo corte que decidam impor-nos para salvar a Nação.

1 comentário:

FB Request disse...

Hoje, para que não restem dúvidas sobre quem é que detém o poder, eventualmente também para minimizar a percepção de que a união, que conduziu os médicos ao sucesso das suas reivindicações, é um exemplo a seguir por outros sectores que também sejam afrontados pela fúria reformista do Governo com outras situações que ponham em causa as suas condições de trabalho, não é o acordo de ontem que faz as primeiras páginas de alguns jornais. Na sua vez, “Queixas no SNS aumentam e médicos são os principais visados”. Olha os bandidos. Muito oportuno. Demasiado para não deixar no ar a suspeita sobre o peso da notícia no défice orçamental deste ano. Não seria nem a primeira, nem a centésima vez que os impostos que todos pagamos são utilizados em favor da causa das notícias oportunas. É importante manterem-nos todos juntos à espera do próximo corte que decidam impor-nos para salvar a Nação.