quinta-feira, 31 de maio de 2012

Competência, transparência, rigor... e Portugal no "bom caminho"

A diminuição das receitas com os impostos indirectos foi quase o dobro da indicada pelo Governo. As contas são da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que analisou a execução orçamental dos primeiros quatro meses e diz que há uma incorrecção nas contas. As contas da DGO, divulgadas na semana passada, apontavam para uma descida de 3,5% até Abril nas receitas de impostos como o IVA, o Imposto sobre Veículos (ISV) e o Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP). No entanto, a UTAO detectou uma incorrecção nas contas, que influencia a variação da queda destas receitas. Assim, em vez de uma queda de 3,5% nos impostos indirectos, indicada pela DGO, as receitas caíram, na realidade, 6,8% em termos homólogos, ou seja, praticamente o dobro. A UTAO estima que o défice tenha atingido os 7,4% no primeiro trimestre, bem longe da meta de 4,5% das troikas, interna e externa. Nada de Grave. Oficialmente, Portugal continua no bom caminho. Aqueles patifes dos gregos é que martelavam as contas e, como toda a gente sabe, Portugal não é a Grécia.

2 comentários:

Fb Request disse...

A diminuição das receitas com os impostos indirectos foi quase o dobro da indicada pelo Governo. As contas são da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que analisou a execução orçamental dos primeiros quatro meses e diz que há uma incorrecção nas contas. As contas da DGO, divulgadas na semana passada, apontavam para uma descida de 3,5% até Abril nas receitas de impostos como o IVA, o Imposto sobre Veículos (ISV) e o Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP). No entanto, a UTAO detectou uma incorrecção nas contas, que influencia a variação da queda destas receitas. Assim, em vez de uma queda de 3,5% nos impostos indirectos, indicada pela DGO, as receitas caíram, na realidade, 6,8% em termos homólogos, ou seja, praticamente o dobro. A UTAO estima que o défice tenha atingido os 7,4% no primeiro trimestre, bem longe da meta de 4,5% das troikas, interna e externa. Nada de Grave. Oficialmente, Portugal continua no bom caminho. Aqueles patifes dos gregos é que martelavam as contas e, como toda a gente sabe, Portugal não é a Grécia.

BRUXA disse...

Isto de ir no "bom caminho" é óptimo!
O que falta é saber, em que sentido??