segunda-feira, 2 de abril de 2012

Um partido inteirinho vergado aos pés de um comentador

Bastou a Marcelo mandar umas bocas ao PS na homilia dominical a que tem direito todas as santas semanas e, ao longo desta Segunda-Feira, foi ver o alvoroço que gerou em todo o partido. De pronto, o Secretariado Nacional disse que Marcelo faltou à verdade não uma, não duas, três vezes. António Costa ajudou a aumentar onda alvitrando, com toda a razão que poderia ter esperado para expressar ao final, que o PS deveria concentrar-se nos problemas do país. Foi depois a vez de vários líderes distritais mostrarem que não desperdiçam oportunidades para aparecer nas televisões e jornais. Como não é menos nem tem menos direitos do que os outros, seguiu-se Zurrinho, o líder parlamentar, a reeditar o famoso número de Sócrates do “ataque de carácter”. Aparece então em cena o comentador, a agradecer a publicidade e a convocar o povo todo para a próxima missa do Conselheiro de Estado. Talvez com medo que ainda não tivéssemos entendido o que nos disseram os seus camaradas de partido, o dia termina com o próprio Seguro em pessoa a selar toda a importância que um partido inteirinho deu a um só comentador. Partido forte, este, que abana de cima a baixo com um par de larachas. Aguarda-se a todo o momento a entrada em cena de Mário Soares. Quem sabe, talvez amanhã tenhamos o PS em peso a responder à Teresa Guilherme ou, com maior peso ainda, ao Fernando Mendes do "preço certo". Não seria menos entretido.

2 comentários:

Anónimo disse...

Realmente, este PS é o cúmulo dos cúmulos.

Anónimo disse...

Aparentemente, "chefe" Mário vinha a toda a velocidade para Lisboa para ajudar, mas foi caçado pelo radar da polícia ...

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=2401761

... é preciso azar, ;-)