segunda-feira, 2 de abril de 2012

O moralismo tem destas coisas


O Presidente da Hungria, Pál Schmitt, anunciou esta segunda-feira a sua demissão no Parlamento, na sequência de lhe ter sido retirado o doutoramento, após a investigação que se seguiu a uma acusação de plágio. Na Hungria, recorde-se, o moralismo instalou-se no poder. A nova Constituição inclui “Deus abençoe os húngaros”, autoriza milícias populares, permite que os pais votem em nome dos filhos e o regime nomeia os seus comissários políticos para ter a comunicação social instrumentalizada o mais possível. Comprovadamente, tem razões para fazê-lo. Que o diga o presidente plagiador. O moralismo, que tão bem resulta junto dos tolos, costuma ter destas coisas.

6 comentários:

Facebook request disse...

O Presidente da Hungria, Pál Schmitt, anunciou esta segunda-feira a sua demissão no Parlamento, na sequência de lhe ter sido retirado o doutoramento, após a investigação que se seguiu a uma acusação de plágio. Na Hungria, recorde-se, o moralismo instalou-se no poder. A nova Constituição inclui “Deus abençoe os húngaros”, autoriza milícias populares, permite que os pais votem em nome dos filhos e o regime nomeia os seus comissários políticos para ter a comunicação social instrumentalizada o mais possível. Comprovadamente, tem razões para fazê-lo. Que o diga o presidente plagiador. O moralismo, que tão bem resulta junto dos tolos, costuma ter destas coisas.

Anónimo disse...

Pal Schmitt é do partido que esta no poder assim que as suas conclusoes nao fazem muito sentido. O que é certo é que o antigo primeiro ministro socialista (Ferenc Gyurcsany) que foi apanhado em gravacoes a assumir que mentiu no exercicio das funcoes nao se demitiu e a imprensa livre da altura nao o conseguiu fazer demitir. Agora a imprensa presuntamente controlada fez cair (e bem) o presidente da republica (nomeado pelo partido no poder) em 3 dias... Como comentario final nao é verdade que a constituicao hungara autorize milicias (sao proibidas por lei - do actual governo - e alguns lideres das milicias estao actualmemte na prisao) e tambem nao e verdade que os pais votem pelos filhos (absurda esta ideia); logicamente que o governo - como todos - colocou pessoas de confianca na comunicacao social publica mas como na maior parte dos paises a imprensa na Hungria esta nas maos dos privados - o jornal mais lido é da oposicao - e as televisoes mais vistas tambem sao privadas.

Vítor Fernandes disse...

Só não sabemos é se o doutoramento foi feito a um domingo. Mas as milícias vão descobrir. Amén.

Filipe Tourais disse...

Precisamente por ser do partido que está no poder é que faz todo o sentido. O que diz quanto ao demais não coincide com a versão relatada na imprensa internacional à excepção de haver milícias que foram presas, embora não por serem milícias.

Anónimo disse...

Nunca li o que escreve na imprensa internacional mas admito que nao leio toda a imprensa. A constituicao hungara esta aqui em ingles: http://www.euractiv.com/sites/all/euractiv/files/CONSTITUTION_in_English__DRAFT.pdf
Nao tem nada do que escreve.

Quanto as milicias junto algumas noticias em ingles. A ultima e a decisao do supremo de ilegalizar as milicias, as outras sao de 70 presos em manisfestacao das milicias e a promessa do actual primeiro ministro de esmagar todo o tipo de movimentos ilegais:
http://www.politics.hu/20100716/orban-promises-to-crack-down-on-magyar-garda/
http://www.politics.hu/20100705/over-70-detained-at-new-garda-event/
http://www.politics.hu/20091216/supreme-court-upholds-ban-on-magyar-garda/

Anónimo disse...

Alias, a propria noticia que tem como atachement o desmente porque se afirma que as milicias foram ilegalizadas e que a policia os preende frequentemente. Como em outros os paises o que é insconstitucional é atentar contra a liberdade de reuniao e expresao. Liberdade essa que os grupos de extrema direita aproveitam para convocar as suas jornadas de odio.