quinta-feira, 19 de abril de 2012

Está tudo bem, portanto

No país do nosso Vitinho, as pessoas estão completamente dispostas a sacrificar-se e a trabalhar mais para que o programa de ajustamento seja um sucesso. Foi disto que o nosso Ministro das Finanças hoje se foi gabar à sede do FMI. Acho injusto. Com tantos grupos que nascem todos os dias no facebook para cascar no Governo, com tantos emails a circular que os desancam de alto a baixo, com tantos blogues maldicentes que fazem o mesmo que os anteriores, com tantas assembleias populares a transbordar de indignação, até com gente a regar-se com gasolina e a atear-se depois como forma de protesto. Começo a suspeitar que, no país do Vitinho, o que conta mesmo são os votos. Fala assim por saber que o seu partido segue em alta nas sondagens. O poder não foge, todo o contrário de fugir. O povo do país do Vitinho dá mostras de não saber usar as armas que a democracia põe ao seu dispor. Está tudo bem, portanto. O Vitinho sente-se tão bem. Nada o perturba. O povo dá-lhe razão. E, sentado nessa, muito sua, razão, imperturbável, continua a falar sempre muito devagarinho. A vida teima em sorrir-lhe.

1 comentário:

FB Request disse...

No país do nosso Vitinho, as pessoas estão completamente dispostas a sacrificar-se e a trabalhar mais para que o programa de ajustamento seja um sucesso. Foi disto que o nosso Ministro das Finanças hoje se foi gabar à sede do FMI. Acho injusto. Com tantos grupos que nascem todos os dias no facebook para cascar no Governo, com tantos emails a circular que os desancam de alto a baixo, com tantos blogues maldicentes que fazem o mesmo que os anteriores, com tantas assembleias populares a transbordar de indignação, até com gente a regar-se com gasolina e a atear-se depois como forma de protesto. Começo a suspeitar que, no país do Vitinho, o que conta mesmo são os votos. Fala assim por saber que o seu partido segue em alta nas sondagens. O poder não foge, todo o contrário de fugir. O povo do país do Vitinho dá mostras de não saber usar as armas que a democracia põe ao seu dispor. Está tudo bem, portanto. O Vitinho sente-se tão bem. Nada o perturba. O povo dá-lhe razão. E, sentado nessa, muito sua, razão, imperturbável, continua a falar sempre muito devagarinho. A vida teima em sorrir-lhe.