terça-feira, 24 de abril de 2012

É 24 de Abril


Com a Constituição da República Portuguesa feita letra morta, com o poder caído na mão de loucos furiosos, com o maior partido da oposição empenhado em institucionalizar na sua praxis política o ser contra e votar a favor ou abster-se, com uma das centrais sindicais, completamente prostituída a interesses que não os dos seus representados, disposta a assinar qualquer porcaria que lhe seja colocada à frente para, dessa forma, promover todo e qualquer abuso a “acordo de concertação social”e com uma cidadania adormecida pela ideia de que o mal só acontece aos outros, tudo se tornou possível. Foi assim que, uma bela manhã, a de hoje, Portugal acordou ao som da notícia de despedimentos “amigáveis” na Administração Pública com uma “amigabilidade” medida por indemnizações com um tecto de 12 salários base até ao máximo de 20 salários mínimos. Uma fortuna. Aquele que foi o sector onde, ao longo de décadas, os seus funcionários aceitaram auferir um salário menor em troca da estabilidade que lhes era oferecida é hoje o sector onde, a juntar ao abuso de reduções salariais inconstitucionais, para despedir já nem sequer é necessária a verificação de qualquer condição prévia de inadaptação. É 24 de Abril. Aqui, Movimento das Forças Desarmadas. Bem-vindos à República do Salve-se Quem Puder.

1 comentário:

Facebook Request disse...

É 24 de Abril. Aqui, Movimento das Forças Desarmadas. Bem-vindos à República do Salve-se Quem Puder.