terça-feira, 13 de março de 2012

A ortografia da insubmissão

Um juiz do tribunal de Viana do Castelo emitiu uma ordem de serviço proibindo a utilização da grafia do novo acordo ortográfico, fundamentando na lei que os tribunais não estão abrangidos pela resolução do Governo. Há quem obedeça por obedecer, concorde ou não. É um modo de vida dos nossos tempos. Mas felizmente que também há quem se prontifique a aceder quando está de acordo mas se recuse a utilizar a ortografia da obediência quando discorda e não está vinculado a nenhuma obrigação. É o caso.


Quanto ao acordo, tema lateral nesta que, desta feita, é abordada como uma questão de direito, parece já termos entrado numa fase de completo descrédito em que a forma como foi implementada a sua adopção concorre no campeonato dos absurdos com o próprio acordo enquanto obra-prima do disparate. Ainda bem.

Sem comentários: