quinta-feira, 22 de março de 2012

Recentrando a atenção geral nos reais problemas do país...

O FC Porto pretende que o Ministério da Educação se pronuncie sobre “os fascistas do gosto”, na sequência de uma queixa contra o ensinamento às crianças de cantigas infantis com saudações ao Benfica numa escola pública da Ericeira. Em comunicado divulgado nesta quinta-feira, o clube portuense condena “o proselitismo em escolas públicas”, saúda “o civismo do pai” autor da queixa e critica o género de cantilenas naquele jardim-de-infância público: “Em vez de ensinarem os valores da liberdade de escolha, ou de opinião, preferem ser uma espécie de ‘ayatollahs’ das suas próprias preferências”.

10 comentários:

Raul disse...

Reais problemas do pais??? ahahahahah
Eu cantava isto na escola.. não tem mal nenhum.
São musicas de crianças!!! Tanto o pai da criança, como tudo à volta deste assunto é, citando passos coelho, "PIEGAS!!!"
Asseguir vão proibir a musica "eu perdi o dó da minha viola" porque a parte tanta da musica diz "é bom camarada" e isso é incentivo político!
E esta mesmo, a musica do "atirei o pau ao gato!" mas que ainda por cima "não morreu"! uma vergonha! um claro incentivo à violência!
por amor de deus..
São crianças, querem lá saber!
A unica pessoa que se importou foi um portista chateado com a vida que não tem mais nada que fazer.

Filipe Tourais disse...

Eu também me ri, mas não posso dizê-lo porque os gajos são mauzões.

Anónimo disse...

E quando eles cantam: SLB, SLB, SLB...
filhos da puta, SLB....

Como o ridículo mata. Podia dar-lhes para pior...

António

Filipe Tourais disse...

É ridículo, realmente. Mas porque será que uma notícia destas, ou que envolva o fenómeno desportivo, ou que diga respeito a uma qualquer bizarria, tem sempre mais leitores do que notícias realmente importantes com reflexos imediatos na qualidade de vida das pessoas? O fenómeno não é exclusivo de Portugal.

Anónimo disse...

O autor deste blog por certo saberá responder à sua própria pergunta uma vez que ele próprio manifesta um grande interesse e dá grande destaque a notícias da bola.

Dylan disse...

Filipe,

Eles não são mauzões. Pensam que são mauzões!...

Filipe Tourais disse...

O autor deste blogue não cobra bilhetes aos seus leitores. É livre de destacar e escrever sobre o que lhe dê na real gana.

Rui Almeida disse...

Eu encontro dois erros crassos aqui... O primeiro é a educadora copiar o vicio dos pais em "incutir" uma cor clubistica aos miúdos.. tal como não é correcto exigir a um evangélico assistir a aulas de religião e moral, também julgo não o ser em relação a temas de futebol, tão ou mais controversos que a religião.
Toda a gente acha ridícula a posição do FCP e critica-a, mas queria ver o que faria os bons católicos se vissem os filhos a serem obrigados a cantar cantigos e a orar na escola... Ser piegas e exagerar nas queixas, ser faccionista e achar que por estarem a incutir o que gostamos é perfeitamente aceitável mesmo que seja contra a vontade de outrem... E para isso, apesar de quase esquecido, tivemos o 25 de Abril!

Anónimo disse...

Um educador de infância tem de ter cuidado com o que expões às crianças.
Um educador é uma figura que supostamente influencia as crianças.
Se a educadora disse essas coisas de Viva o Benfica e a chavala for a casa dizer que quer ser benfiquista porque a educadora diz, o que o pai faz? Diz que o que a educadora diz não tem importância e arrisca-se a ter um filho que não liga aos concelhos realmente inportantes da educadora por causa do precedente?
Nem vou invocar o argumento que em vez do viva o Benfica fosse algo tipo vamos fazer bicos ao Carlos Cruz ou matar em nome de Alá, etc.

Filipe Tourais disse...

Futebol, política e religião são planos muito distintos, pelo que não há aqui comparações possíveis, sob pena de se tornarem ainda mais ridículas do que o assunto que tentam justificar. Futebol é só futebol. É diversão, não devemos esquecê-lo nunca.