quinta-feira, 8 de março de 2012

Portugal no "bom caminho"

Portugal registou, em 2011, o desaparecimento de 32.989 empresas e, no segundo semestre do ano, por mera coincidência aquele em que se começou a ouvir aquela do “custe o que custar”, foram dissolvidas mais do triplo das que desapareceram no primeiro semestre. O ritmo de deterioração da situação do país acelerou depois da entrada em vigor das medidas do memorando, indica também o Instituto Nacional de Estatística (INE). A aceleração do ritmo de crescimento da taxa de desemprego, a outra face da mesma moeda, já havia sido revelada pelo Eurostat. Bate certo.


Vagamente relacionado: Pedro Passos Coelho inicia hoje uma visita à Finlândia e Suécia. O Primeiro-Ministro irá encontrar-se com os seus homólogos para lhes dizer que Portugal está no bom caminho.


Ainda mais vagamente: afinal, o produto interno bruto (PIB) português contraiu-se 1,6% no ano passado, em vez dos 1,5% anunciados a meio Fevereiro. No quarto trimestre, a queda homóloga foi de 2,8%, em vez dos 2,7% antes estimados.


E, para terminar: o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que Álvaro Santos Pereira está a fazer “um bom trabalho” como ministro da Economia e que não tenciona “prescindir dele”.

1 comentário:

I blogger disse...

Empresas? Para quê? Se não há poder de compra, não é necessário produzir.
Esperemos pelo subsídio de férias, que não vem...