terça-feira, 6 de março de 2012

Excelente ideia, senhor General

Em entrevista à Antena 1 nesta Terça-feira, Ramalho Eanes defendeu que o país deve decidir se quer ter Forças Armadas e se está na disponibilidade de as financiar. Ora aqui está uma excelente ideia. Eu prefiro ter Saúde, Educação e mais protecção social a sacrificar o Estado social porque há que financiar aquela parcela das forças armadas que nada tem que ver com a protecção das nossas águas territoriais e espaço aéreo e se limita a brincar às guerras encomendadas pela NATO. E sair da Nato também seria uma excelente ideia.

4 comentários:

bombista não-suicida disse...

APOIADO!!!!! Assim como assim, ninguém vai querer invadir este país... A lógica e o bom senso levam-nos a chegar a precisamente essa conclusão: Forças armadas para quê??? Um força de intervenção e salvamento marítimo bem apetrechada seria o suficiente.

Fernando Salgueiro disse...

Quem diz que não precisa de Forças Armadas é um ignorante. Não percebe nada de Soberania e Defesa Nacional.
Qualquer país tem de ter Forças Armadas, mas criadas e projectadas para funções determinadas.

Sair da NATO, não é opção, quem defende esta ideia é porque nao percebe o minimo de estratégia militar.


Sim, acaba-se com as Forças Armadas e gasta-se o dinheiro todo na Saude e Educação para depois daqui a uns anos estar outra vez sem dinheiro. O problema é a gestão do Dinheiro e quem faz más despesas.

Os países que não tem Forças Armadas que conheço são a Islandia , pái com 500 mil habitantes (gerido pelos Estados Unidos) , Republica Dominicana (ou das bananas , onde os "tugas parolos" vão passar férias). Se quiserem por Portugal neste patamar , depois da nossa História dos Descobrimentos...

Filipe Tourais disse...

Eu não disse que apoiava ficarmos sem exército, mas, ainda assim, o que decidamos para nós não tem forçosamente que ser uma imitação do que os outros façam. Sobre investir em Saúde e Educação, não desequilibra mais as contas públicas do que gastar em tirinos, com a vantagem sobre este último de melhorar a vida das pessoas e, no caso da Educação, ser uma aposta essencial para o desenvolvimento do país. A NATO... pois eu sei que os pró-americanos adoram esta rdebaixo do seu jugo. Mas é ver o que é que ganhámos ao longo de todos estes anos com a nossa subserviência.

Anónimo disse...

Lista de países desmilitarizados (para o especialista)
Andorra A defesa do país é da responsabilidade de França e Espanha . Andorra tem tratados semelhantes com ambos os países, assinado em 03 de junho de 1993.
Barbados Mantém uma força para assuntos internos. Há muito tempo um país pacifista. A defesa é da responsabilidade do Sistema de Segurança Regional .
Costa Rica Primeiro país sem um exército. A Constituição proíbe os direitos militares desde 1948. Tem um assento no Tribunal de Direitos Humanos e é o lar da Universidade para a Paz das Nações Unidas . A defesa do país é da responsabilidade da Polícia Nacional e da Guarda Costeira.
Dominica Não tem exército desde 1981, após a tentativa de golpe. A defesa é responsabilidade do Sistema de Segurança Regional .
Granada Não tem exército desde 1983, após a invasão do EE. UU. e seis países do Caribe na campanha militar chamada Operação Fúria Urgente . A defesa do país é de responsabilidade do Sistema de Segurança Regional .
Haiti O exército foi dissolvido em junho de 1995 e só os rebeldes exigiram a sua restauração. A Polícia Nacional mantém algumas unidades militares. Atualmente existe uma força de paz com um mandato da ONU .
Islândia Nenhum exército desde 1859, mas é um membro da NATO . Existe um acordo de defesa com os EUA, que manteve uma base militar no país de 1951 até setembro de 2006. Há forças de paz, guarda costeira, e unidade especial da polícia para casos específicos.
Quiribati As únicas forças estão autorizadas são a polícia e a Guarda Costeira.
Liechtenstein Aboliu seu exército em 1868 porque era muito caro. Este só existia em tempos de guerra. Protegidos pelo Exército suíço desde então.
Mauritius Tem uma força policial paramilitar desde 1968.
Micronésia É da responsabilidade da defesa dos EUA e dos Estados Federados da Micronésia.
Monaco Desistiu de investimento militar no século XVII. Sua defesa é responsabilidade da França.
Nauru Nos termos de um acordo informal, a defesa é da responsabilidade da Austrália .
Palau É o país anti-nuclear de acordo com a Constituição (aprovada em 1979 ), juntamente com as Filipinas (constituição de 1987 ). A defesa é responsabilidade dos Estados Unidos da América.
Panamá Aboliu seu exército em 1990, conforme uma votação unânime do parlamento para a mudança constitucional em 1994. Em caso de guerra a Colômbia tem o dever de proteger o Panamá, porque o Panamá assinou um tratado com esse país para a proteção integral da nação.
San Marino Só mantém uma força de protecção cerimonial, a polícia e a guarda de fronteira. Defesa nacional em caso de uma ameaça externa está sob a responsabilidade da Forças Armadas da Itália .
Samoa Não tem exército. A defesa é responsabilidade da Nova Zelândia .
Ilhas Marshall A defesa das ilhas é de responsabilidade dos Estados Unidos da América.
Ilhas Salomão Havia ali um forte conflito étnico entre 1998 e 2006. Recentemente, a Austrália e outros países do Pacífico intervieram para restaurar a paz e a ordem. Não tem exército.
São Cristóvão e Nevis Mantém uma pequena força de defesa para fins internos. A defesa é responsabilidade do Sistema de Segurança Regional .
Santa Lucia Mantém uma unidade de serviço especial. A defesa é responsabilidade do Sistema de Segurança Regional .
St. Vincent e Granadinas Mantém uma unidade de serviço especial. A defesa é responsabilidade do Sistema de Segurança Regional .
Tuvalu Não tem exército, mas sua força policial inclui uma Unidade de Vigilância Marítima.