quinta-feira, 29 de março de 2012

Aulas práticas sobre voto útil: esquerda prostituída

O PS anunciou hoje que vai abster-se na votação do pacote laboral e que poderá dar o "sim" mais tarde, se forem aceites as propostas de alteração que os socialistas venham a apresentar. Foi ainda sublinhado que haverá disciplina de voto e que, até agora, nenhum deputado do PS pôs em causa a legitimidade dessa directriz.
  • Actualização: pouco depois do anúncio de Zurrinho, os ânimos exaltaram-se na bancada rosa. Lacão propôs a demissão do líder parlamentar e colocou em causa a disciplina de voto que nunca foi questionada quando o PS foi poder, durante a era Sócrates. Por exemplo, quando, em 2008, a maioria de então cerrou fileiras em torno de um pacote laboral aprovado quase sem discussão e muito pouco diferente daquele que hoje está prestes a ser aprovado. Ou quando, em 2010, se pôs de acordo com o “rival” PSD para fazer cair as raspas de segurança da sua “flexigurança”. Ou quando, em 2011, juntamente com os mesmos sócios, assinou o memorando com a troika onde se comprometeram a proceder às alterações à legislação laboral que se preparam para aprovar. Esta “esquerda” leva aspas. E se se prostitui mais ou menos à economia do abuso quando é ou não poder, será questão para especialistas. Prostitólogos.

1 comentário:

Facebook request disse...

O PS anunciou hoje que vai abster-se na votação do pacote laboral e que poderá dar o "sim" mais tarde, se forem aceites as propostas de alteração que os socialistas venham a apresentar. Foi ainda sublinhado que haverá disciplina de voto e que, até agora, nenhum deputado do PS pôs em causa a legitimidade dessa directriz.