segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Gente fina é outra coisa

Um navio da empresa Costa Cruzeiros, a mesma a que pertence o Costa Concordia, que naufragou a 13 de Janeiro em Itália, esteve à deriva ao largo das Seychelles, após um incêndio. O Costa Allegra tem cerca de mil pessoas a bordo. Um avião da companhia aérea angolana TAAG aterrou de emergência nesta segunda-feira no aeroporto de Lisboa devido a um problema técnico. Não se percebe muito bem por quê, mas estes são dois exemplos de notícias que fazem vibrar pessoas que nunca andaram nem nunca vão andar de avião ou saber o que é um cruzeiro.


Relacionado com este fenómeno está a representação que cada um faz de si próprio. É como se estar a par destas frivolidades de que ninguém se lembra passado apenas um ano fosse condição necessária para manter um sentimento de pertença a uma classe média que fica lá em cima. Conversas “bem” e despreocupadas - "oh! corror!" - para gente “zen” e gira. E não custa nada defender o que se defende lá em cima e, com os bolsos vazios, olhar para baixo e mandar umas bocas reaccionárias àqueles “radicais” – utópicos! – que defendem, vejam lá o disparate, um modelo social que diminua as desigualdades e, dessa forma, garanta uma vida melhor para quem trabalha, incluindo a utopia de ter dinheiro para andar de avião ou para saber o que é um cruzeiro. Quem lê estas notícias sabe-o perfeitamente sem precisar de vivê-lo: são pessoas informadas que lêem jornais e até navegam na internet.


Segundo a Marktest, apenas 15.4% da população residente em Portugal continental pertence à classe social alta e média alta. Mais de metade da população pertence às classes sociais baixa e média baixa. A composição do nosso Parlamento mostra uma relação de forças que é o inverso desta estratificação.


3 comentários:

Anónimo disse...

"Não se percebe muito bem por quê, mas estes são dois exemplos de notícias que fazem vibrar pessoas que nunca andaram nem nunca vão andar de avião ou saber o que é um cruzeiro."
"É como se estar a par destas frivolidades de que ninguém se lembra passado apenas um ano fosse condição necessária para manter um sentimento de pertença a uma classe média que fica lá em cima."
Concordo plenamente, e acrescento que é tal e qual como falar do mundo do futebol e de jogos de futebol por pessoas que nunca pisaram um relvado e muito menos jogaram num jogo profissional de futebol.

Anónimo disse...

Caro Blogista

Nem só os endinheirados andam em Cruzeiros. Faço lembrar que somos um País de Marinheiros, e que se queira ou não, ainda há muitos Portugueses embarcados por esse Navios, dando a ganhar a entrada de divisas ao nosso Portugal. Posso adiantar que sou uma dessas pessoas. Já dei várias voltas ao mundo, em cruzeiro, com inúmeras histórias... incluindo ataques de piratas da Somália... para bem da minha família e do "goso" de gente "endinheirada, pois são eles que gerem economia... Esta é a razão, que me interesso por estas notícias...

Filipe Tourais disse...

Temos, então, a honra de ter um leitor que fica frequentemente a escassos milímetros de ser classe alta e outro da opinião que este tipo de notícia deveriam ser dadas na categoria desporto. Parabéns aos dois.