quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

2012, empreendedorismo no espaço


A sucessão de boas notícias para Portugal neste mês de Fevereiro prossegue a um ritmo alucinante. Agora foi a descoberta de um planeta diferente de todos os conhecidos até agora e que terá mais água que a Terra. O GJ1214b, a 40 anos-luz do nosso planeta, tem cerca de 2,7 vezes o tamanho da Terra e uma temperatura estimada de 230ºC, segundo os especialistas, ideal para a cozedura de pasteis de nata. Não admira, pois, que o Governo português tenha sido mesmo o primeiro a ser contactado pela NASA, que fontes próximas do Ministério da Economia confirmam estar já em conversações com Álvaro Santos Pereira para a instalação imediata de uma fábrica gigantesca do grupo Pingo Doce no planeta logo na primeira expedição, agendada para a próxima Terça-feira de Carnaval, às 9 em ponto.


Ainda segundo a mesma fonte, uma equipa liderada pelo Ministro em pessoa começou desde logo a trabalhar num pacote legislativo com vista à venda da concessão da exploração de energia no planeta durante os próximos 1300 anos, bem como nos contratos de uma rede de auto-estradas planetária em PPP com as mesmas funções de todas as ABST (auto-estradas de baixo ou sem tráfego) construídas em Portugal durante os últimos anos. Tornou-se ainda necessário trabalhar numa alteração dos Planos Directores Municipais lá do sítio para multiplicar o valor dos terrenos por uns bons milhares e para que seja possível permitir à Belmiro SGPS a construção de complexos turísticos nas áreas de paisagem protegida ricas em gelo quente, um dos produtos exóticos do planeta. Tudo em grande. Para os mais alvoroçados, tradicionais forças do bloqueio, é de realçar que o financiamento destes e de outros projectos do género tem a vantagem adicional de dispensar a criação de uma linha de crédito especial para o efeito, uma vez que as que já existem para uso exclusivo desta tipologia de empresários é infinitamente elástica.


Perguntarão os leitores: então, e o que é que nós ganhamos com tudo isso? Evidentemente, a alegria patriótica de ver produtos, empresas e empresários PORTUGUESES na linha da frente daqueles que ficarão na História das riquezas do GJ1214b. Não se entusiasmaram com idênticos esforços feitos às vossas custas no passado no GJ1214a, em Angola, na Venezuela, na China, na Líbia e em tantos outros paraísos da fortuna, incluindo Portugal? Realmente, não se entende a pergunta. Vá, todos jjuntos, que É Portugal. E sejjam empreendedores.


Nota: na imagem, reparar na bandeira portuguesa à direita, um pouco acima daquela que seria a linha do equador caso estivéssemos na terra. Já estamos lá.

2 comentários:

Maria João Brito de Sousa disse...

Não resisto a partilhar consigo o meu riso! Temos então que ASP é, no fundo, um incompreendido visionário!
Gostei! :)

Filipe Tourais disse...

Às vezes dá-me para o pastel de nata, é verdade... Um abraço.