quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

De costas voltadas para a democracia


"Que emigrem todos os políticos". Esta é a reacção que mais leio por aí depois do apelo à emigração repetido por pelo menos quatro políticos imbecis. Então e os outros? Os que nos defendem e sempre nos defenderam? Qualquer dia são estes os que emigram, logo a seguir a emigrar a paciência para os combates que travam diariamente com um poder que apenas é diminuto porque a ingratidão também é desconfiada e pouco amiga de arriscar. Então é que estaríamos mesmo tramados: em democracia, nunca viveremos sem políticos. Ou será que acreditam que vem para aí a Virgem Maria, uma prima dela ou o próprio Jesus para nos salvar? Ou serão saudades do botas das sardinhas para sete e do pobrezinhos mas honrados e limpinhos? Enquanto este povo não aprender a viver em democracia, haveremos de sofrer este inferno por muitos e maus anos.


Isto só pode continuar a descambar. Quando a democracia mais necessita dos cidadãos, quando os cidadãos mais precisam da democracia, estes voltam-lhe as costas para, cada um por si, se entreterem a dizer mal dos políticos, dos que provaram e dos que nunca ousaram provar, porque “são todos iguais”, políticos, palavra malvada. Não admira, pois, que segundo este ranking, ultrapassado por Cabo Verde, Portugal tenha descido um lugar na tabela, passando a figurar entre os países que têm democracias com falhas. Os selvagens que permitem aos imbecis a escolha dos Governantes cuja eleição se recusam impedir estão, eles próprios, a mandar emigrar a democracia para outras paragens onde seja melhor cuidada e merecida. O convite é igualzinho àquele que lhes incendeia a inconsequência. De que se queixam, afinal? Estes selvagens parecem todos iguais.

1 comentário:

Sinistro disse...

nunca vi tanta parvoíce junta...e mais não merece este blog... sei que não vai ser publicado porque você deve ter vergonha.