sábado, 3 de dezembro de 2011

O serviçal dos serviçais

Ainda há um par de dias chocou o país com a sua abstenção “violenta” na votação global da solução final que a maioria aprovou para o país. Foi sentado na autoridade assim conquistada que o secretário-geral do PS desafiou hoje Passos Coelho a falar com os líderes da União Europeia em vez de estar sentado em São Bento à espera das decisões de Merkel e Sarkozy. Concordo. Mas tenho uma vaga ideia que para ser levado a sério quando diz destas, António José Seguro deveria perceber que ser oposição é bem mais do que dizer a treta nossa de cada dia para logo regressar à casa de banho do Parlamento e, enquanto cozinha a do dia seguinte, aí ficar à espera das decisões de Passos Coelho e Paulo Portas para se abster outra vez.