sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Mas qual paz, qual amor, o Natal não é nada disso

Apregoa-se que o Natal é amor, é perdão, é tudo o que um homem quiser. Mas não será bem assim. Uma troca no ficheiro enviado em anexo a um e-mail de Boas Festas deverá levar à suspensão do comandante da Polícia Municipal (PM) de Coimbra, que ontem se tornou alvo de um processo disciplinar. Isto, porque, por engano, segundo o próprio, Euclides Santos enviou para todos os funcionários da Câmara de Coimbra uma apresentação em Powerpoint de 25 páginas na qual se lia que esta é uma belíssima época, em todo o mundo, para desejar que haja paz, que se tenha saúde, que se viva com amor, que blah… blah… blah…”, pode ler-se na introdução. Depois de várias páginas com fotos de mulheres pouco vestidas, a mensagem continua: “E basta de farsas e de palavreado inútil! O que eu desejo, de todo o coração, é que tenhas relações sexuais incríveis, uma vida alegre e feliz, que trabalhes muito e que te paguem bem!”. “E agora não digas que não sou um teu grande amigo”, conclui o senhor comandante, após mais uma sequência de fotos e frases do mesmo género. Conclusão mais do que óbvia: nem paz, nem amor, muito menos perdão. O Natal é mesmo fodido. Nem mesmo o menino Jesus poderá agora fazer alguma coisita para safar o homem das garras da impiedosa moralidade que idolatra o-das-palhas. Dizer que tamanho puritanismo fecha os olhos a isto aqui mas arregala-os e arreganha-se com isto aqui.


(actualizado)

1 comentário:

M. disse...

Coitado do senhor, só estava a querer ser simpático ;)))