sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Gostei de ler: "A ladaínha orçamental"

«Um milhão de reformados vai perder um ou dois meses de pensão - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. 460 mil funcionários públicos vão perder um ou dois meses de salário - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Quem trabalha trabalhará mais vinte dias por ano sem receber nada por isso - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. As pensões de 274 euros, auferidas por quem trabalhou vinte e mais anos, serão congeladas - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Quem descontou trinta anos do seu salário para ter agora uma pensão de 303 ou de 379 euros vê-la-á congelada - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Muitos produtos alimentares passarão a pagar 23% de IVA - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Doze mil milhões de euros entregues à banca privada para a sua recapitalização, garantindo o Governo que não interferirá na absoluta liberdade de decisão dos banqueiros e que muito menos imporá como contrapartida o apoio prioritário ao relançamento da economia - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. A saúde vai ter menos mil milhões de euros - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Os hospitais públicos vão ter menos 11% a 15% de receita - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Os utentes do Serviço Nacional de Saúde vão ser obrigados a pagar de taxas moderadoras o dobro do que pagavam até aqui e muitos (incluindo doentes crónicos) deixarão de estar isentos do seu pagamento - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O valor da comparticipação do Estado no preço dos medicamentos desce drasticamente - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O IVA dos espectáculos dobra o seu anterior valor - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O orçamento para a Cultura é cortado em 40 milhões de euros - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Por força do aumento do IVA e da recusa de medidas de contenção dos custos ao consumidor, o preço da electricidade subirá cerca de 20% - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Pelas mesmas razões, o preço dos transportes aumentará em média 25% - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O Estado compromete-se a pagar 35 mil milhões de euros em juros e comissões à troika - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O juro que será pago às parcerias público-privado, na saúde, nas obras públicas, onde for, será de 12%, o mais alto de toda a Europa - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. Ao mesmo tempo que as famílias e as pessoas singulares deixam de ter isenções e benefícios fiscais em áreas nevrálgicas das suas vidas, as empresas beneficiarão de 1700 milhões de euros em benefícios fiscais - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. A Educação terá o maior corte de sempre no seu orçamento, mais de 600 milhões de euros - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O ensino pré-escolar, básico e secundário terá menos 160 milhões de euros - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. O ensino superior será cortado em cerca de 115 milhões de euros, que afectarão quer os equipamentos e os salários quer a acção social, cuja penúria já determinou a saída este ano de seis mil estudantes do sistema - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se. A duração do subsídio de desemprego terá um máximo de 18 meses e o seu valor terá o tecto máximo de 2,5 vezes o indexante de apoios sociais - Passos Coelho diz que é pouco; o PS absteve-se.


E, no fim de tudo, deveremos mais 30 mil milhões de euros. Passos Coelho diz que é pouco. O PS abstém-se.» - José Manuel Pureza, no DN

Sem comentários: