quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Guerra de patrimónios

Os impactos irreversíveis da barragem de Foz Tua na paisagem do Douro Vinhateiro, objecto de relatório, motivaram uma recomendação ao Estado português por parte da UNESCO, o organismo mundial responsável pela sua classificação como Património da Humanidade, que ameaça retirar a distinção à terceira região turística nacional em receitas. Passos Coelho tem bem guardada na gaveta a decisão de destruir esse património que é de todos nós para satisfazer o interesse económico de um lobby rendeiro suficientemente bem colocado junto do poder político para garantir em 2012 um aumento de tarifas bastante superior à inflação no país europeu onde a electricidade já era a mais cara de todas. A região é património da humanidade. As rendas são património do nosso garantismo.

1 comentário:

Eduardo Miguel Pereira disse...

Bem lembrado FT. Este crime que de há muito anda a ser preparado contra um património que é de todos, não pode passar incólume.

Para além de que, estudos vários, apontam as barragens como principais causadores da erosão da nossa costa marítima, por força da retenção dos nutrientes que normalmente se depositariam nas zonas costeiras, e que assim ficam restidos nas barragens. Outro partimónio que também é de todos.