sábado, 17 de dezembro de 2011

A dignidade que nos resta

Depois de preguiçosos, bêbados. A direita amiga dos credores, que tanta barulheira fez por causa de uma exigência legítima de um deputado que constatou que os nossos representantes se limitam a aceitar as imposições de Bruxelas sem o mínimo esforço para tentar minimizar a catástrofe a que nos conduzem,, cala-se. Miguel Portas e Marisa Matias questionaram por escrito o Presidente do Banco Central Europeu sobre as declarações de Jens Weidmann, conselheiro do BCE e presidente do banco central alemão, que comparou os países endividados a bêbados viciados em dívida. Questionado no Parlamento, Passos Coelho deu uma gargalhada antes de responder a Louçã que não tem que justificar "as imagens metafóricas" do banqueiro alemão. Claro. Eles aceitam o que quer que seja. Ainda bem que os políticos não são todos iguais, senão não teríamos quem mostrasse que não somos um povo curvado e de mão estendida.

Sem comentários: