terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Azar nítido

Fizeram o que puderam para ajudar na redução de salários. E conseguiram. No comércio, há gente a ganhar pouco mais de 2 euros à hora, sem quaisquer regalias ou sequer garantias de que haverá mais trabalho no dia seguinte. Agora, queixam-se que há saldos sobre saldos, que venderam pouquíssimo no Natal e que, redduzam o que reduzirem os preços, não vendem nada de nada. Os patrões do comércio descobriram que os colegas “empreendedores” dos outros sectores tiveram a mesma estratégia de maximização de lucros. Está na hora de juntarem todo o seu potencial “empreendedor” e inventarem o consumo sem salários. Se não conseguirem, sei lá, é tentar exportar… e verificar que os empreendedores dos outros países não tiveram ideia melhor do que a sua. É muito azar junto.

2 comentários:

Gi disse...

Ora aí está.

Teófilo M. disse...

Este ano o prémio Nobel da economia vai ser para quem inventar o consumo sem necessidade de dinheiro.
Vamos voltar, pelos vistos ao sistema de trocas.