terça-feira, 22 de novembro de 2011

Roubar pensionistas para que os realmente ricos voltem a safar-se

Haverá muita gente a rejubilar com a proposta dos partidos do Governo de aumentar substancialmente a “contribuição extraordinária” sobre pensões de reforma de valor superior a 5030,64 euros mensais. Eu não. Com uma ressalva: as pensões auferidas por quem descontou menos do que o tempo legalmente fixado para toda a gente como requisito obrigatório para ter direito a essa pensão. Mas retirar extraordinariamente parte do direito conquistado através de descontos acumulados durante uma vida inteira é um roubo quer quando a base de incidência desses descontos é pequena, quer quando o valor do desconto mensal é maior porque a base de incidência também o é. E é uma injustiça tremenda pôr quem descontou mais a receber tanto como quem descontou menos.


É mais do que óbvio que é precisamente aquele júbilo populista que o Governo procura despertar com o anúncio colocado em toda a imprensa desta manhã. E, enquanto as alminhas se entretêm com a euforia das suas invejas reconfortadas, saem de cena as propostas de englobamento de todos os rendimentos para a determinação do IRS, incluindo dividendos, juros e outros rendimentos de capital, que faria com que os rendimentos de trabalho deixassem finalmente de estar condenados a pagar sempre mais do que os da fortuna e do capital, a tributação de transacções com paraísos fiscais, que o Governo chegou a inscrever no documento inicial mas que retirou depois, e a tributação de todas as mais-valias urbanísticas que decorram de actos administrativos, como alterações habilidosas aos PDM, que poria também travão à corrupção autárquica.


Parece que vão novamente conseguir que os realmente ricos se safem outra vez de contribuir nesta hora de aperto que vive a sociedade que os enriqueceu.

1 comentário:

Gi disse...

Concordo consigo. Isto só serve para baralhar as cabeças das pessoas e promover ainda mais a divisão entre os que ganham abaixo de mil euros e os que ganham acima, quando o problema de desigualdade não é esse.