quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Olha que dois

Prova de que a falta de vergonha continua intacta apesar da lição Kadhafi, Passos Coelho resolveu deixar nova mancha na História da diplomacia portuguesa visitando a cleptocracia angolana, o lugar perfeito para mostrar como e quanto também se rouba por cá. A propósito dos cortes salariais, que a troika defendeu sejam estendidos também ao sector privado, Passos Coelho justificou o roubo com as dívidas das empresas, que também precisam de ser pagas. Afinal, é simples. Dívida pública? Roubam-se os funcionários públicos. Dívida privada? Roubam-se os trabalhadores do privado. E, depois do BPN, ainda há uma EDP para oferecer a preço de saldo à filha do reputado bandido de renome internacional que manda naquelas paragens. Ele depois compensa com uns negócios por lá. Só para amigos. Os outros que se convençam que é Portugal que sai a ganhar.

1 comentário:

Carlos disse...

Pois claro que a dívida das empresas privadas precisa de ser paga, sobretudo as dívidas contraídas para benefício dos patrões e familiares, em grandes almoçaradas, brutos carros com combustível, portagens e manutenção paga, prostitutas, lugares nas bancadas VIP dos estádios de futebol, etc etc. Tudo isso tem de ser pago pelo Zé, e mais importante, agora é preciso explorar mais o Zé para que os patrões e família continuem a poder levar uma vidinha à grande.