quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Há quem finja que pode, mas há quem assuma que não

O Teatro Nacional Dona Maria II (TNDM II), em Lisboa, anunciou esta quarta-feira a suspensão de toda a programação de 2012. A decisão é consequência da austeridade anunciada pelo Governo. No caso do teatro, esse pacote de cortes representa um valor acumulado na ordem dos 36%, agravado pelo aumento da taxa do IVA (23%)”. O Dona Maria tinha taxas de ocupação acima dos 90 por cento, comforme se lê no comunicado da direcção, que fundamenta a decisão na impossibilidade de desenvolver um trabalho digno sem o financiamento respectivo. Uns fingem que podem sempre, outros assumem que não. Há elementos diferenciadores que distinguem quem nunca poderá ser e quem é realmente profissional e apenas pode desenvolver um bom trabalho se reunidas determinadas condições. O meu aplauso para os segundos. Um exemplo a seguir para que o Governo deixe de contar com a arte dos primeiros como arma para generalizar uma subjugação a todos os títulos humilhante.


Actualização: com toda a certeza que Diogo Infante já calculava que seria demitido até à noite. Como foi. Eles gostam de conviver com opiniões diferentes das suas. Diogo Infante deu uma lição de cidadania. O Governo deu nova lição de porcaria. É assim que eles se desgastam.

1 comentário:

Gi disse...

Eu também aplaudo o Diogo Infante e gostaria que outras pessoas, quando concluem que afinal não têm condições para fazer bem o seu trabalho, tomassem a mesma atitude. Por exemplo, os políticos, quando chegam ao governo e "descobrem" que "os buracos" não os deixam cumprir as promessas eleitorais.
Ficávamos dem governo? Se calhar não ficávamos pior, porque podíamos eleger quem já soubesse ao que ia. E nós saberíamos ao que íamos.

(A não ser, claro, que nos impusessem um governo "sem políticos, só com peritos")