sábado, 12 de novembro de 2011

Gostei de ler: "Merkozy e a última estocada na Europa "



«Recusando mudar o papel do BCE e insistindo em manter viva esta aberração de ter uma moeda sem emitir títulos de divida, Angela Merkel prepara-se para a estocada final na Europa. A sua ideia de coesão económica é ser a Alemanha a decidir como serão os orçamentos dos Estados europeus. Temos uma moeda única com um banco central com muito menos poderes do que o seu congénere americano e queremos ter um governo único, sem união política, com muito mais poderes sobre os Estados do que tem Washington. É o que dá ter analfabetos políticos à frente de países poderosos.


Mas a estocada final é outra. Depois de todos os disparates e erros desse monstro nascido do acasalamento político entre Merkel e Sarkozy, a crise chegou, como se sabia que ia chegar, a Itália. Já se sabe que os portugueses são indisciplinados, os gregos mandriões, os italianos corruptos. O próximo será outra coisa qualquer. Por isso, franceses e alemães querem uma moeda só sua, em que eles decidem quem fica e quem sai. Debaterão o assunto entre si, como se a Europa fosse o seu campo de golfe.


Aquilo que estes pigmeus políticos se esquecem é que o crescimento da França e da Alemanha, a qualidade de vida dos seus cidadãos e até a paz em que têm vivido depende da integração económica europeia. E que em política, como na vida, não há ação sem reação. Os mercados europeus para onde exportam os seus produtos, que por ordem sua abriram fronteiras e desmantelaram a sua indústria, abandonados à sua sorte, vão ter de se defender e optar por medidas protecionistas para tentar reerguer as suas economias. Vai regressar tudo ao princípio.


Quanto tempo durará o eixo franco-alemão? Até a crise lhes chegar a casa? Sem o enorme mercado único europeu (sim, esta escolha será um ponto final na União Europeia), como julgam que vão competir com a Ásia e a América Latina? Quando a União Europeia acabar, os povos destas duas potências descobrirão que o dinheiro que julgam gastar com os outros os estava, na realidade, a defender a eles. Pode até ser pedagógico.» Daniel Oliveira, no Expresso. Imagem do Arrastão.

1 comentário:

Anónimo disse...

São exemplos de pigmeus políticos os referidos nas quadras abaixo, há mais como o Barroso, servo de Ângela Merkel e de Sarkosy, Vítor Constâncio, etc... Coelho promete mais medidas, se estas que colocou e vai colocar, fracassarem: quem nem conhece um coelho, sabe que sentindo qualquer coisa, se refugia num valado, sendo este valado os intestinos de Passos Coelho tal como uma casca de laranja e que segundo dizem os espanhóis é lá que ele tem o cérebro:
É DO CÉREBRO O MAL
Com cérebro nos intestinos
está nosso Primeiro Passos
e a gerir os nossos destinos
é dos piores, é só fracassos?
-
já nos dizem uns espanhóis
sobre um iva a vinte e três
que nem os nossos caracóis
ai do iva merecem uns três!
-
nas Scuts pôs as portagens
e nosso povo de insatisfeito
e com tiros estraga imagens
queima fios, força de peito!
-
e já ninguém s'acredita nele
inda menos no Paulo Portas
já lhe querem já tirar a pele
ai de ver tantas coisas tortas!
-
fez o pacto com os amarelos
e aconselha jovens a emigrar
e que os seus cursos tão belos
lá para a China é que vão dar?
-
já deu o prazo de seis meses
p'ra os chinos pagarem dívida
e de impostos os portugueses
já tem a sua face muito lívida!
-
e vem de lá um Paulo Rangel
com a secretaria de emigração
outro a soldo d'Ângela Merkel
que temos cá na nossa Nação!
-
sobre terrorismo, um Macário
vem dizer qu'assim não é luta
chamando nosso povo Otário
e vejam bem como ele labuta?
-
como ele está o Mendes Bota
ai que critica este vandalismo
mas não critica por tanta nota
que gamam uns de terrorismo?
-
se dizem ser do cérebro o mal
mandem Coelho à Psicologia
para que tenha nosso Portugal
ai em grupo a melhor terapia!
-
mandem com ele o tal Gaspar
e toda a gente do Ministério
não vão com o povo acabar
sem saber qual é o mistério?
-
Eugénio dos Santos