terça-feira, 4 de outubro de 2011

Europeísmo suicidário

Os ministros das Finanças da União Europeia aprovaram hoje em definitivo UM pacote legislativo que agrava as sanções para os países com derrapagens orçamentais. É bom ou é mau? Para os países em dificuldades, mais do que mau, é suicidário: ao valor dos défices excessivos somam-se agora os valores das sanções, ou seja, as sanções agravam o problema que lhes deu origem. Mas, como diz a moda domesticadora do “temos que ser positivos”, também há um lado positivo a sublinhar: caiu o argumento de certos “especialistas” segundo o qual, dadas as dificuldades vividas pelo sector, a banca nacional não pode ser tributada à mesma taxa que o são as mercearias de bairro, cuja taxa de tributação em sede de IRC mais do que dobra a que é aplicada ao sector financeiro. Ou será que o que é válido para sacrificar populações inteiras já não o é quando se trata de fazer com que o sector financeiro ajude a pagar a crise que o próprio provocou com a sua ganância irresponsável e, não raras vezes, delinquente? Seja lá qual for a resposta, o directório enlouqueceu de vez.

1 comentário:

Kruzes Kanhoto disse...

O suicídio europeu teve inicio com a abertura das fronteiras aos bens produzidos por mão de obra escrava. Agora todas as medidas - por mais populares,populistas ou impopulares - não passam de paliativos.