quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Cuidado com os irresponsáveis

Quando PS, PSD e CDS assinaram de cruz um empréstimo que não negociaram e o Bloco de Esquerda e o PCP exigiram a renegociação da taxa de juro e prazo de pagamento então anunciados, foram chamados de tudo: radicais, irresponsáveis, anti-patriotas, etc. A não participação nas pseudo-negociações, recorde-se, teve custos eleitorais cuidadosamente maximizados por uma comunicação social alinhada com o poder.


Não foram necessários mais do que três meses e meio para a História demonstrar quem tinha razão: a Comissão acaba de propor uma redução de 2 por cento na taxa de juro que aqueles três partidos do centrão aceitaram pôr os portugueses a pagar, bem como um alargamento do prazo de reembolso. Não que os radicais da obediência o tenham negociado. Eles não negoceiam. Aceitam. Tratou-se de uma imposição da realidade que havia sido antecipada por quem, afinal, tinha toda a razão: nos moldes em que foi firmado, o empréstimo era incomportável para a economia portuguesa. Cuidado com os irresponsáveis que estão no poder.



Sem comentários: