sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Bem como manipular

“A maioria PSD e CDS-PP, bem como o PCP e o BE, aprovou, hoje, na generalidade, os projectos que criminalizam o enriquecimento ilícito e chumbaram a iniciativa do PS., lê-se aqui. Repare-se no “bem como”. BE e PCP, que há séculos vêm exigindo a criminalização do enriquecimento ilícito, aparecem a reboque precisamente daqueles que sempre foram um obstáculo a esse intento.

2 comentários:

Streetwarrior disse...

É a pouca vergonha!
Actualmente, mais grave ainda do que qualquer crise económica, qualquer guerra, é a manipulação e a perversão da moral e da ética.
Hoje, vivemos uma hipnose continua em que a manipulação é a primeira e mais forte arma, mais ainda que uma bala.
È a manipulação utilizando a psicologia invertida.
O Bom é mau...a guerra é paz a austeridade é desenvolvimento e a privacidade de liberdade, é o meio para atingir a segurança.

È preciso ser muito obestinado e pensar milhentas vezes no mesmo assunto, pois hoje em dia, até o cépticismo de ver para crer, já não serve.
Pois a realidade é completamente forjada e manipulada pelos meios de c.Social aliados á tecnologia, criando, a realidade virtual que só existe na cabeça de quem deixa que pensem por eles.
Tenho dito.

Nuno

Filipe Tourais disse...

Video aqui.

Projectos do Bloco de Esquerda, do PCP e do PSD/CDS são aprovados na generalidade. PS fica isolado a votar contra, argumentando “inversão do ónus da prova”. Para o Bloco, esse argumento só tem contribuído para a inércia.
Artigo | 23 Setembro, 2011 - 13:56
A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira, na generalidade, os projectos de lei do Bloco de Esquerda, do PCP e do PSD/CDS para criminalizar o enriquecimento ilícito dos titulares de cargos públicos. O Partido Socialista votou contra todos eles, argumentando que são inconstitucionais, afirmando que promovem a inversão do ónus da prova numa lei penal.

Recorde-se que a criação do crime de enriquecimento ilícito foi proposta originalmente pelo ex-deputado João Cravinho, do PS, e que um dos principais objectivos anunciados por António José Seguro ao ser eleito secretário-geral do PS foi o combate à corrupção.

Clareza é o que se impõe

O tema foi agendado pelo Bloco de Esquerda. Para a deputada Cecília Honório, o argumento avançado pelo PS só tem contribuído para a inércia. “Clareza é o que se impõe, e é nela que baseamos as nossas propostas. Os titulares de cargos políticos e públicos que por si ou interposta pessoa estejam na posse de títulos de bens manifestamente superiores aos que declararam incorrem em penas de prisão de um a cinco anos”. A deputada explicou que em caso de ilicitude, estes mesmos bem revertem a favor do Estado.”

Não houve unanimidade na bancada socialista: os deputados Ana Paula Vitorino, Eduardo Cabrita e Idália Serrão abstiveram-se em relação ao projecto da maioria PSD/CDS-PP.

PSD, PCP e BE votaram a favor dos três projectos de lei para criar o crime de enriquecimento ilícito, enquanto o CDS-PP se absteve relativamente aos projectos do PCP e do BE.

Foi também aprovado, na generalidade, com o voto contra do PS e a abstenção do CDS-PP, um segundo projecto do Bloco de Esquerda que altera a lei do controlo público da riqueza dos titulares de cargos políticos.

Por sua vez, o projecto de lei do PS para penalizar a ausência ou a prestação de informações erradas sobre rendimentos e património foi rejeitado com os votos contra do PSD, CDS-PP, PCP e Bloco e a abstenção do PEV.

Artigos relacionados:
PS deve esclarecer posição sobre enriquecimento ilícito, desafia o Bloco Ninguém enriquece, em funções do Estado, sem uma razão