quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Aulas práticas sobre voto útil: rentabilizar o sofrimento

As pílulas e as vacinas contra o cancro do colo do útero, hepatite B e contra a estirpe do tipo B do vírus da gripe, que embora integrem o Programa Nacional de Vacinação são comercializadas em regime de venda livre nas farmácias, vão deixar, nestes casos, de ser comparticipadas pelo Estado, que apenas continuará a assegurar a sua distribuição gratuita nos centros de saúde. De acordo com o documento ontem divulgado com a lista de medidas para reduzir as despesas no sector que o ministro Paulo Macedo levou à comissão parlamentar de Saúde, o ministério vai ainda reduzir a comparticipação da associação de medicamentos antiasmáticos e broncodilatadores. A poupança prevista pelo Governo com estas descomparticipações ascende a cerca de 19 milhões de euros, de um total de quase 1100 milhões de euros a atingir até 2013. Para além dos custos sociais, de fora desta previsão ficam ainda, só para dar dois exemplos, os custos com as horas de trabalho que os utentes perdem em romarias ao centro de saúde mais próximo para levantar medicamentos e os custos com quimio e radioterapia que se tornarem necessários pelos cancros originados pelas vistas curtas de um Governo que cortou a comparticipação das vacinas que os preveniam.

2 comentários:

Joaquim Ferreira disse...

Esta é boa... Entretanto, gastaram-se milhares e milhares de centenas de euros a pagar o ABORTO que algumas fazem... Daqui a uns meses, as clínicas e hospitais estarão a fazer mais abortos... quem sabe, como estes governantes de meia-tigela que não pensam nas consequências... Os centros de saúde a ser abarrotados ded gente pois as médicas nem tempo terão para respirar... isto porque produzimos muito e há que obrigar os trabalhadoras a faltar ao trabalho para ir receber a dita cuja pílula gratuita nos centros de saúde. É só mais uma aberração...! Veremos que custos..:! Triste país desgovernado por amadores... Venham os estrangeiros colocar isto na linha... Venha já uma das discípulas de Angela Merkel... Caso contrário... Boa vai ela! Depois da Educação... Corta-se na saúde... Planeamento familiar... Daqui a pouco, só falta cortar nas exéquias finais... Ou seja, nos gastos com funerais! Vamos para a cova embrulhados num lençol... Seguramente que ficará mais barato!

Filipe Tourais disse...

Diz para porem, provavelmente ainda não deu conta de que é a Merkel quem manda aqui com os resultados que está a ver. Ainda vai a tempo.