sexta-feira, 1 de julho de 2011

Dominique Strauss-Kahn violado por empregada de hotel

Dominique Strauss-Kahn, antigo director-geral do FMI, acusado de ter violado uma funcionária da limpeza de um hotel nova-iorquino, foi libertado sem pagamento de caução. A libertação está relacionada com o facto de ter sido posta em causa a credibilidade da mulher que o acusou.


Um dia depois: São 49 por cento os franceses que gostariam que Dominique Strauss-Khan voltasse à políitca e 45 aqueles que acham que o ex-director do Fundo Monetário Internacional não devia voltar.


Dois dias depois: A jornalista e escritora francesa, Tristane Banon, vai apresentar queixa contra Dominique Strauss-Kahn por tentativa de violação, anunciou nesta segunda-feira o seu advogado, David Koubbi.

3 comentários:

Anónimo disse...

"Sabe-se igualmente que o seu alegado noivo lhe fazia depósitos regulares de dinheiro na sua conta bancária, bem como vários outros homens, alegadamente amigos do seu noivo."
Desde o início que esta acusação me cheirou a esturro. Sempre acreditei que foi uma manobra para o descredibilizar perante os eleitores numa altura em que estava em ascensão e o Sarkozy em queda. Agora que está descredibilizado já não representa ameaçã para o Sarkozy e já não faz sentido prosseguir com a acusação, daí que agora seja a própria acusação a recuar.

Anónimo disse...

Isto já se sabe como é quano os envolvidos têm dinheiro. DSK há muito era conhecido como alguém com hábitos sexuais estranhos. Agora falta pouco para ser ela a ter tentado violá-lo e, quem sabe,até a tirar-lhe a própria virgindade.

Anónimo disse...

Já apareceu mais uma donzela ofendida, que só agora sentiu as dores de 2002. Parece que a primeira não chegou para descredibilizar o homem perante os eleitores franceses, o Sarkozy precisa de mais um empurrãzinho.