quinta-feira, 9 de junho de 2011

Sangrar alegremente "pela Pátria"


Cavaco Silva disse hoje esperar que os portugueses queiram ser “curados” e que sejam capazes de responder aos desafios que foram colocados pela comunidade internacional. Quando o interrogaram sobre o que quis dizer com a expressão “não há cura para aquele que não quer ser curado”, utilizada por si de manhã num discurso, Cavaco esclareceu tratar-se de uma frase de um médico célebre do século XVI, João Rodrigues de Castelo Branco, o Amato Lusitano. Naquele tempo, utilizava-se a sangria como terapia e era preciso convencer os pacientes a deixarem-se sangrar, muitas vezes até à morte. Não confundir, portanto, “curados” com a prisão de quem afundou o BPN, com a renegociação das PPP, com a investigação criminal de tantos e tantos negócios escandalosos, onde, naturalmente, se incluem também estas últimas, ou curados através de uma redistribuição mais justa do rendimento e de mais justiça na economia. Era mesmo sangria que Cavaco quis dizer. Espera que os portugueses queiram ser sangrados. Com todo o gosto, senhor Presidente, como vimos no Domingo passado.

1 comentário:

Anónimo disse...

Excelente post, ahah.
O Cavaco é surreal...