quinta-feira, 16 de junho de 2011

Requisitos curriculares para ser PM em países pobres

Aos 18 anos, sem licenciatura, deu aulas de matemática. Entre os 23 e os 25, ainda sem licenciatura, foi Relações Públicas numa empresa. Aos 37, concluiu a licenciatura em Economia numa universidade privada, a Lusíada. A partir dos 40, começou a trabalhar em várias empresas do amigo e companheiro de partido Ângelo Correia, onde coleccionou cargos de Administrador não executivo. Se lhe somarmos umas quantas consultorias vagas, o CV profissional deste empreendedor resume-se a isto.


No CV político, conta dois mandatos como deputado, um como vereador sem pelouro e um como Presidente de Assembleia Municipal. Nenhum cargo executivo a assinalar. Soma ainda alguns cargos decorrentes dos anteriores em Comissões Parlamentares e na Assembleia da Nato. E é tudo. Este é o CV do sucessor de um licenciado ao Domingo.

6 comentários:

Anónimo disse...

O Lula da Silva não tem licenciatura nenhuma e isso não impediu que tenha sido um dos melhores políticos brasileiros. Julgar a capacidade de liderança das pessoas(no geral, não PPC em particular) é um preconceito sem sentido.

Anónimo disse...

Queria dizer julgar com base no currículo ou habilitações literárias

Filipe Tourais disse...

É, mas o Lula, para além dos empregos que tinha no curriculum (e olhe que não eram daqueles que se conseguem à pala do cartão), tinha experiência de liderança e experiência executiva. Se calhar, o exemplo que escolheu para comparação não é lá dos melhores.

Anónimo disse...

É retirar a componente laranja do curriculum, amigo incluído, e não fica quase nada. Mas se quiserem também podem somar-lhe as falências por gestão danosa e o processo que corre em Tribunal.

joshua disse...

Se eu não tiver esperança, morro. Por enquanto vou ter a esperança do mesmíssimo tipo daquela que nutri quando André Villas-Boas ingressou no meu clube.

Abraço.

José Ferrão disse...

O que é mais grave não é ser ou não licenciado;
No cargo de primeiro ministro, o que é mais grave é querer parecer aquilo que não é.
Porque se não sabe defender a sua conduta pessoal, como saberá defender os interesses do país?