sexta-feira, 20 de maio de 2011

Preparativos para a subida das taxas moderadoras

A ministra da Saúde afirmou esta quinta-feira na Lourinhã que os portugueses recorrem a “demasiadas consultas médicas”, o que agrava o consumismo no Sistema Nacional de Saúde. Os portugueses devem mentalizar-se de uma vez por todas que, com governos PS-PSD-CDS, os impostos que pagam não são para financiar serviços públicos de qualidade. Os acordos firmados de cruz com troikas predadoras, as PPP, os negócios submarinos, os estudos e os pareceres manhosos fazem de qualquer canceroso um hipocondríaco em potência.

2 comentários:

Fusível Ativo disse...

Sempre ouvi dizer que a prevenção é a melhor forma de evitar doenças graves.

Anónimo disse...

Ana Jorge terá sido médica, em tempos. Agora, ministra, limita-se a macaquear a linguagem insensível de uma certa raça de gestores para quem os números são tudo, as pessoas menos que nada. Ora, mesmo não sendo completamente aceitável que um gestor seja um autómato feito de desumanidade, é compreensível que seja contaminado pela linguagem glacial das folhas de cálculo. De alguém que exerceu o ofício de Hipócrates esperar-se-ia mais alguma tendência para o humanismo, mas Ana Jorge já não é médica, é só mais uma figurante do circo socrático, sendo certo que não está sozinha no Ministério da Saúde, instituição muito frequentada por ex-médicos.

Assim, ouvir a senhora dizer que os portugueses recorrem a “demasiadas consultas médicas” é mais uma prova de insensibilidade, até porque, que se saiba, não há estudos que comprovem essa afirmação ou a contrária ou outra qualquer que fique a meio caminho. Deixar escapar esta afirmação é apenas insultar os portugueses. Nada de novo.