domingo, 22 de maio de 2011

O "estadista" dos joelhos sujos

Podia ter-se calado, e já seria mau. Podia ter protestado, devia. Podia ter dito bem alto que os 22 dias de férias a que os portugueses ganham direito depois de um ano inteiro de árduo trabalho está numa vizinhança muito próxima dos 21,5 dias da média europeia e muito distante dos 30 dias que a maioria dos alemães goza anualmente, apesar do mínimo legal ser de 20. Podia ter dito que é mentira que os portugueses se aposentam mais cedo do que os alemães, porque a idade de reforma é actualmente exactamente a mesma nos dois países. Angela Merkel lembrou-se de tentar ganhar uns votos mandando umas bocas xenófobas que alimentam o mito do latino preguiçoso, que insulta todos os portugueses. E Passos Coelho, em vez de defender os seus, reitera o insulto e volta a mostrar que a sua estatura política é a de um homem de joelhos, um baixinho para quem a identidade cultural do seu povo não vale um caracol. Hoje, o seu joelho direito disse o que se lê abaixo. Amanhã, não sabemos o que dirá o esquerdo. Teimam em contradizer-se, é o que vale.


Questionado sobre a crítica da Chanceler alemã Angela Merkel sobre o excessivo número de dias de férias dos portugueses, Passos Coelho diz que não são as férias que estão em excesso, mas os feriados e as pontes. "Precisamos de reduzir o número de feriados, isso sim". E acrescentou: "De resto, tenho muita pena de que aquele projecto que foi apresentado por duas deputadas independentes do PS não tivesse sido levado adiante. Nós em Portugal temos demasiados feriados".


A proposta e o comentário respectivo estão aqui.

Sem comentários: