domingo, 10 de abril de 2011

Pornografia

Quando, em política, ouço políticos a dizerem-se apolíticos, a encabeçarem candidaturas auto-intituladas de “cidadãs” e que tresandam a inconsistência e incoerência de ideias, estremeço e desconfio. Um dos últimos que por aí se passearam é um bom exemplo do cuidado a ter com esta sub-espécie de farsolas. Poucos meses depois de perder as presidenciais, Fernando Nobre despe-se diante dos ingénuos que lhe confiaram o voto. Para trás ficam as vestes de cordeiro humanista. É a hora de ser carrasco, empunhar o chicote do FMI e pôr-se ao serviço do PSD. Uma decisão difícil, longamente ponderada e tomada em nome da Pátria. O costume.


Fernando Nobre, presidente da AMI, será o cabeça-de-lista por Lisboa do PSD e será indigitado presidente da Assembleia da República se o partido ganhar as eleições.

1 comentário:

FB disse...

É de elogiar a atitude de Fernando Nobre e do PSD.Não nenhum problema em assumir posições políticas coerentes.Para quem não tenha percebido(mais uma) nas presidenciais:Nem Nobre é de esquerda nem o PSD é diferente do PS nos jobs-for-the-boys.O problema é a demagogia do elogio do indivíduo contra os colectivos.Os cidadãos ou organizações não são todas corruptas.Mas há alguns que são demagogos quando isso lhe dá jeito.