terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

®Portas Pictures apresenta... "O embaraço de um artista"

Portas diz que somos mal governados. Diz que o Governo está a conduzir o país para o abismo. Diz que as políticas do Governo são más. Mas o CDS vai abster-se de censurar o Governo. É que as sondagens dizem que ainda não é o momento ideal para o assalto ao poder. E ele, Portas, na necessidade de justificar o favor do seu partido para a manutenção do Governo que tanto critica, vai dizendo umas coisas. Desde logo, que a moção do Bloco é que foi um favor feito ao Governo. Que a sua sagacidade rapidamente percebeu que a moção que o Bloco apresentará no próximo mês “é que é um golpe de teatro”. Que os serviços secretos do seu partido o informaram de que, caso, juntamente com o PSD, aprovassem a moção, o Bloco se apressaria a retirá-la. E o seu teatrinho completa-se com a promessa velada de uma moção “à séria”. E “à séria”, nesta encenação, é made by CDS. Sobre política, sobre a situação dramática que se vive no país, sobre a vida dos portugueses, nem uma palavra. Estes brincalhões politiqueiros são cá uns artistas.

3 comentários:

Anónimo disse...

Por incrível que pareça chego a ter duvidas se sou tolinho. Não tenho capacidade de perceber como é possível que todos os partidos da oposição dizerem mal de Sócrates, verificarem que ele nos levou quase à beira da bancarrota e quando têm oportunidade de o mandar ás favas esses mesmos partidos o apoiem? Porque de apoio se trata. Os argumentos são variados para "o não derrube" e por consequência apoiam Sócrates. Mas os argumentos são os mais disparatados possíveis. O cerne da questão está na oportunidade do derrube de Sócrates para se ganhar mais votos nas próximas eleições. Mas porque o povo e a Juventude estão cada vez mais cultos, julgo que não vão em cantigas. Julgo que o Bloco de Esquerda vai ser mais tarde ou mais cedo Governo em Portugal. Espero que modifique um pouco o discurso eleitoral e vai continuar na moda.

Fernando Lopes disse...

Telefonema imaginário de Louça a Portas

- Tou, Paulo, daqui Francisco.
- Diz.
- Eh pá precisava que te abstivesses na moção. Eu não quero que aquilo seja aprovado.
- Mas o que é que te deu ?
- Já sabes como é com o Sócrates. O gajo enerva-me dos nervos, e depois desato a dizer coisas que não queria. Ainda mandei o Pureza e o João Semana pôr água na fervura, mas tenho lá rapaziadada chateada. Foi um repente, saiu-me ...
- Francisco, com a tua experiência ? Nós já somos veteranos da política. Como é que eu faço isso sem me comprometer?
- Oh pá, manda cá para fora um comunicado a dizer que a moção não é credível. Além do mais é verdade, pá.
- OK. Mas ficas a dever-me uma.
- Paulo, já sabes que eu e o Bloco sempre fomos defensores das causas LGBT.
- Shiuuuu, que só a minha mãe é que sabe. Com o meu eleitorado não me posso dar a esses luxos.
- OK, OK. E fazes bem em aguardar pelo poder que vão sair um novos modelos da Xerox que são um mimo.

À vossa consideração apagar ou não.

Cumprimentos,
Fernando Lopes

Anónimo disse...

Quando não há outra, usa-se uma argumentação ad homini. Sintomático.