quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

O Natal dos protegidos ou a Primavera do embuste


A organização conjunta com Espanha do campeonato mundial de futebol de 2018 era uma possibilidade que ficou hoje afastada. O comité executivo da FIFA decidiu que seja organizado pela Rússia.

O abono de família e o prolongamento da protecção social no desemprego era uma realidade, mas PS e PSD decidiram por bem que os milhões que pouparam com os cortes que os fizeram passar à História fariam as delícias dos accionistas das empresas que anunciaram a golpada fiscal de antecipar a distribuição de dividendos ao apuramento de resultados do exercício de 2010.

O PS ainda fez saber que alguns dos seus meninos de coro estavam contra a viabilização de mais esta traição aos portugueses, mas Francisco Assis sussurrou uma ameaça de demissão e pô-los imediatamente na ordem a votar pelos superiores interesses representados pelo Governo. Mas não só.

Quem ganhou com o boato foi Passos Coelho, esse grande estadista que há dias se insurgia contra a promiscuidade reinante entre o poder económico e o poder político. O número mediático do PS fez passar despercebida a ordem dada às suas tropas para que hoje usassem os votos que os portugueses lhes confiaram na defesa da promiscuidade que o querido líder havia moralizado dias antes com um belo discurso. Juntos com o CDS, PS e PSD reconfirmaram que a crise não é para todos. O Natal destes campeões da precariedade e dos salários mínimos, que não podem ser actualizados nas (nestas) condições actuais do país é quando eles quiserem. Foi hoje. Livre de impostos.

2 comentários:

Fenix disse...

Que mais será preciso acontecer para este povo invertebrado sair para a rua e dizer BASTA!

PETIÇÃO por uma ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CONTRIBUINTES FISCAIS

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=ancf

Cravo disse...

Fenix, agora que tiraram o pão ao povo, basta que aumentem a dose de circo para compensar. Para haver revolta teria de haver um corte dramático na dose de circo, mas isso não acontecerá. A correnteza de novelas, futebol e afins está aí com força para garantir a satisfação popular: barriga vazia e alma alegre.