segunda-feira, 29 de junho de 2009

Pimenta refresco


Esta manhã tive o privilégio de assistir a uma palestra sobre predisposição para o sacrifício dada por José Miguel Júdice no tempo de antena semanal que tem na rádio pública. Segundo este sábio da nossa praça, os 7 mil, de um total de 40 mil trabalhadores da British Airways, que acederam à solicitação que lhes foi endereçada pela sua administração da trabalharem um mês gratuitamente, revelaram uma responsabilidade, mentalidade ganhadora e outros inúmeros predicados que os trabalhadores da Auto-europa evidenciaram não terem quando recusaram a dádiva do equivalente a seis vezes a remuneração suplementar a que têm direito quando trabalham ao Sábado. “Assim o país nunca poderá ir para a frente e jamais sairá da cepa torta” foi a conclusão deste nosso génio. Tive pena que a entrevistadora, a nossa queridíssima Eduarda Maio, não o tenha confrontado com a insignificância que representam as remunerações suplementares correspondentes a seis sábados no total de custos da Auto-europa, menos de 0,001%, e que não lhe tenha perguntado se estaria disposto a não cobrar aquilo a que tem direito quando, num dos muitos empreendimentos turísticos que José Miguel Júdice detém por todo o país, um cliente se recuse a pagar alegando que não tem dinheiro. Já para não falar nos serviços que este nosso empresário do regime abnegadamente vai prestando ao Estado português, pagos principescamente e adjudicados sabe lá ele como, que isso são outros quinhentos.

1 comentário:

Wegie disse...

É pena ele não se ter referido ao sacrifício dos gestores da banca internacional que aumentaram os seus salários em tempo de crisE, nalguns casos como a UBS em 50%.